AH! vida mágica onde está? Saudosa te busco... Te reencontrei na obra que esta construída... Onde realidade e o que o mundo diz ser fantasia se misturam... Se complementam formando uma única chama... Incandescente... De amor, muito amor que une o mundo material de nós, os reencarnados, e o mundo espiritual dos desencarnados... Maria

segunda-feira, 2 de junho de 2014

NO  CAMINHO  DO  AMOR

                                                                        Espírito Irmão X
   
Em Jerusalém, nos arredores do Templo, adornada mulher encontrou um nazareno, de olhos fascinantes e lúcidos, de cabelos delicados e melancólicos sorriso, e fixou-o estranhamente.

Arrebatada na onda de simpatia a irradiar-se dele, corrigiu as dobras da túnica muito alva; colocou no olhar indizível expressão de doçura e, deixando perceber, nos meneios do corpo frágil, a visível paixão que a possuíra de súbito, abeirou-se do desconhecido e falou, ciciante:

-Jovem, as flores de Séforis encheram-me a ânfora do coração com deliciosos perfumes.

 Tenho felicidade ao teu dispor, em minha loja de essências finas...


Indicou extensa vila, cercada de rosas, à sombra de arvoredo acolhedor, e ajuntou:

-Inúmeros peregrinos cansados me buscam a procura do repouso que reconforta. 

Em minha primavera juvenil, encontram o prazer que representa a coroa da vida.

 E' que o lírio do vale não tem a carícia dos meus braços e a romã saborosa não possui o mel de meus lábios.

Vem e vê! Dar-te-ei leito macio, tapetes dourados e vinho capitoso ... 

Acariciar-te-ei a fronte abatida e curar-te-ei o cansaço da viagem longa!

 Descansarás teus pés em água de nardo e ouvirás, feliz, as harpas e os alaúdes de meu jardim. 

Tenho a meu serviço músicos e dançarinas, exercitados em palácios ilustres!

Ante a incompreensível mudez do viajor, tornou, súplice, depois de leve pausa:

-Jovem, porque não respondes?

 Descobri em teus olhos diferentes chama e assim procedo por amar-te.

 Tenho sede de afeição que me complete a vida.

 Atende! Atende!...

Ele parecia não perceber a vibração febril com que semelhantes palavras eram pronunciadas e, notando-lhe a expressão fisionômica indefinível, a vendedora de essências acrescentou uma tanto agastada:

-Não virás?

Constrangido por aquele olhar esfogueado, o forasteiro apenas murmurou:

-Agora, não.

 Depois, no entanto, quem sabe!

A mulher, ajaezada de enfeites, sentindo-se desprezada, prorrompeu em sarcasmos e partiu.

Transcorridos dois anos, quando Jesus levantava paralítico, ao pé do Tanque de Betesda, venerável anciã pediu-lhe socorro para infeliz criatura, atenazada de sofrimento.

O Mestre seguiu-a, sem hesitar.

Num pardieiro denegrido, um corpo chagado exalava gemido angustioso.

A disputada marcadora de aromas ali se encontrava carcomida de úlceras, de pele enegrecida e rosto disforme.

 Feridas sanguinolentas pontilhavam-lhe a carne, agora semelhante ao esterco da terra.

 Exceção dos olhos profundos e indagadores, nada mais lhe restava da feminilidade antiga.

 Era uma sombra leprosa, de que ninguém ousava aproximar.

Fitou o Mestre e reconheceu-o.

Era o mesmo mancebo nazareno, de porte sublime e atraente expressão.

O Cristo estendeu-lhe os braços, tocados de intraduzível ternura e convidou:

-Vem a mim, tu que sofres!

Na Casa de Meu Pai, nunca se extingue a esperança.

A interpelada quis recuar, conturbada de assombro, mas não conseguiu mover os próprios dedos, vencida de dor.

O Mestre, porém, transbordando compaixão, prosternou-se fraternal, e conchegou-a, de manso...

A infeliz reuniu todas as forças que lhe sobravam e perguntou, em voz reticenciosa e dorida

-Tu?... O Messias nazareno?... 

O Profeta que cura, reanima e alivia?!...

 Que viste fazer, junto de mulher tão miserável quanto eu?

Ele, contudo, sorriu benevolente, retrucando apenas:

-Agora, venho satisfazer-te os apelos.

E, recordando-lhe a palavra do primeiro encontro, acentuou, compassivo:

-Descubro em teus olhos diferentes chama e assim procedo por amar-te


 Do livro Contos e Apólogos( Psicografia de Francisco Cândido Xavier)





terça-feira, 27 de maio de 2014

SAUDADE   amado CORAÇÃO DE OURO que já mora nas estrelas...
Hoje 6 anos de sua partida meu saudoso esposo...
Peço ao PAI te abençoe e conduza seus passos onde estiver...
Sinto falta e a vida nunca mais foi a mesma...
Sigo em frente, mas falta você e os cuidados que tanto enterneciam meu coração...
Mais uma vez obrigada...
JESUS seja louvado!
                           
                                                                     Maria da Graça
                          27/05/2014


POESIAS DE AUTORIA JÉSUS RIBEIRO
POSTO NUMA FORMA CARINHOSA DE HOMENAGEÁ-LO E CONTAR DA MINHA SAUDADE E GRATIDÃO PELOS CUIDADOS E AMOR SINCERO E DOCE...




Um olhar
                         Jésus Ribeiro


São dois olhos que olhei
Os mais lindos que já vi
Neste olhar me embriaguei
Fascinado eu me perdi...

São os olhos de alguém
Que chegou depois partiu
Desde então prá mais ninguém
O meu coração se abriu
                     
Que saudade eu sinto agora
Deste olhar que tanto amei
De um ser que agora sei

Foi pra mim como a aurora
Que as trevas vem romper
Em deslumbrante amanhecer




ETERNA COMPANHEIRA
                                                           Jésus Ribeiro


Alma gêmea eu te amo desde quando,
Deus o hermafrodita universal
Donde tudo promana nos criou
Uno por ser eterno
Na divina união
A gerar frutos
Frutos de perfeição
Sementes de vida eterna
Mônadas celestiais


Almas gêmeas
No instante primeiro
Predestinadas por Deus
A evoluir no saber
A crescer no amor
Neste amor que liga
Cada par a seu par
Todos os pares
A todos os infinitos pares


Foi nesta hora
No tempo perdido
Passado afora
É que foste a primeira
A eterna companheira
A Alma gêmea do meu ser
Conscientes de nós mesmos
A nossa frente o progresso constante


E começamos o longo caminho...
De conhecer a nós mesmos
Ora contigo a quem mais amo...
Ora sem ti


Neste processo universal
De união fraternal
Para que um dia
Votássemos de novo
A ter a faculdade de amar como Deus...
A todas as criaturas
O processo é infinito
Mas a cada passo
Sei que caminho rumo a ti...
E tu caminhas rumo a mim...


Mas o céu ficou negro
Vi uma estrela
E me vi grão de areia
A refletir a sua luz
Mas me enganei
Não és estrela embora,
Ofusques os sóis,
Eras tu
Alma gêmea do meu ser...



MENSAGEM
                                   Jésus Ribeiro


Alma gêmea querida
Receba esta mensagem
Que parte do meu ser
Quem vaga em romagem
Pelas estradas da vida
Que busca com ansiedade
A maior felicidade
De unir-me para sempre a ti
Amor dos sonhos meus
Espera tranquila e calma
Na perfeita confiança em Deus



SENTENÇA
                                      Jésus Ribeiro


Orei a Deus e pedi me fosse mostrado
O porque a razão
De ser eu sonhador frustrado
Que viveu um segundo
Em mundo belo e encantado
Paraíso desconhecido a refletir
No teu olhar
Todo o mar de júbilos sem fim
O prazer de sentir seu calor
Seu hálito tão perto
Apenas um segundo
A maior ventura do mundo
Que perdi
Ah! Como sofri
Quando teu olhar baixaste
Quando teu riso se apagou


E o senhor me mostrou
Os milênios de crueldade
A imensa maldade
Que em mim habitou
Por não poder experimentar
O amor puro e verdadeiro
Quando diz renunciar
Pois eu quis te possuir
Embora por te adorar



ALMA GÊMEA
                                           Jésus Ribeiro


Alma gêmea amor primeiro
Leia estas linhas
Que são simples, são singelas
Porque é através delas
É que busco transmitir
Na pobreza de expressão
As esperanças minhas
O meu sentir
As coisas do coração


Alma gêmea amor maior
Imagina a escuridão
E o insalubre charco
No qual bela estrela
Está a refletir


Sou eu a podridão
A treva a lama
És tu a estrela
No céu a luzir


Com isto quero dizer
Que tenho erros e paixões
Trevas e obsessões


Mas no meio a tanto mal
A tanta imperfeição
Arde uma chama
De pureza tal
Que nenhum mal contamina


É fogo sagrado
Inflamado por centelha divina
No ato da criação
É a mais ardente emoção
E o mais suave prazer
É o eterno amor
Por ti alma gêmea do meu ser




FILHO MEU
                                      Jésus Ribeiro

Filho meu
Filho meu
Mamãe e papai te diz
Nosso amor por ti
Não se perdeu
Filho meu
Filho meu
Siga teu caminho
Olha acima do espinho
Ah! Como é grande a nossa dor
Olha acima do espinho
E verás
Uma flor


Obs: Poesia feita quando quase trouxemos um espírito para o mundo pelo reencarne. Mas Deus decidiu ao contrario... 




AMOR PRIMEIRO
                                                Jésus Ribeiro


Alma gêmea meu primeiro amor
Louvado seja Deus
Por me permitir
De alguma forma fora de norma
Ter os carinhos teus
Louvado seja Deus
Por acalentar os sonhos meus
Por que sem mim
Vives
Sem ti vivo
Mas escrevo com desvelo
Pra te dizer
Ah! quem me dera poder
Te abraçar
Te beijar
Como teu esposo te amar
Mas esquece
Busca na prece a consolação
Mas esqueça
Embora difícil pareça
Já é meia noite
Esperemos, confiemos
A certeza que o dia amanhece
A aurora dourada
Em que eu humilde servidor
Da minha amada
Terei os carinhos teus
Ama-me como puderes
Farei o que quiseres
Mas te peço que me espere
Pois por amar também
Eu estarei a te esperar e a te amar



SONHEI  
                           Jésus Ribeiro


Te olhei nos olhos
E te senti o mais belo olhar que já vi
Perdão agora sei
Tens por mim o amor que não te dei
Mas não te esqueça
Embora não pareça
Nos teus sonhos eu vim
E que fique por fim determinado
Que sou teu amado
E que sempre te amei



PERDOA A MINHA SAUDADE
                                                            Jésus Ribeiro


Pai Celestial
Perdão vos peço
Pelo que não mereço
Livra-me de todo mal
Pai Celestial
Perdoa minha ansiedade
Sou teu filho
Pai de bondade
Perdoa a minha saudade



ESQUECIMENTO
                                                  Jésus Ribeiro


Alma gêmea, não pense mais
Esqueça o passado
Esquece nossos ais
Sou teu amado
Esquece o que ficou para trás


Alma gêmea, meu amor
Ah! Agora estamos no esquecimento
É um verdadeiro tormento
Corações marcados pela dor
Não pense que esqueci


Ah! Isso que é viver
Sinônimo de sofrer
No dia em que te perdi
Esqueceste por acaso
No dia em que foste minha
Te olvidaste
Ah! Saudade


Mas o mundo só tem maldade
Eu lutei por nossa felicidade
Morri
Perdi tudo no mundo
Mas hoje trago a certeza
Que te amei
E que me amaste
Por isso somos um



ENCONTRO
                                       Jésus Ribeiro

De alma incerta vaguei
Escabroso caminho palmilhei
Pedras e espinhos pisei
Lágrimas de sangue chorei
Mas foi assim
Com o Cristo
Foi só por isto
Que te encontrei
E então
Aberto o coração
Não mais em chagas de dor
Mas em delírios de amor
E te amarei
E fiel serei
E neste primeiro instante
Agora se
Tua alma gêmea eu sou
Como sempre fui
E sempre serei




TERNURA
                                    Jésus Ribeiro


Alma gêmea
Até que ponto és incerta
Procurar bem sei
O caminho certo
Não te esqueças
Flor de minha alma
Segue a vida tranquila e calma
Na certeza que te amei
Esquece dissabores, problemas e dores
Esquece por mim
Que nada sou
Outros amores
E lembra humildemente
Ternamente
De quem te amou
Eternidade afora
Mas é agora que te amo
Que te espero que te venero
Que és para mim até o fim
Tudo que quero
Que podia eu pedir mais
Do que Deus me deu
Se tenho a metade do coração
Para que eu tenha o meu



PROCURA
                              Jésus Ribeiro


Onde moras meu amor
Que te procuro
E não acho
Transitei pela escuridão
Trazendo um facho
Intentando te encontrar
Ah! Me perdoa
A chama que trago na mão
Por ela te peço perdão
Mas tudo que fiz
Foi só por te amar
Ah! Eu queria te encontrar
Ah! Como eu saberia melhor do que ninguém
Da terra ou do além, te amar
Espero que possas
De alguma forma me perdoar
Perdão por vir
Mas eu vim somente
Tão somente
Por te amar




O ESPINHO E A FLOR
                                                       Jésus Ribeiro


E o tempo passa
Eterno é o esperar
Alguém se foi
Mas espero ainda que tardia
Uma felicidade imensa
Como recompensa de uma grande dor
Causada por um espinho
Quando intentei apanhar uma flor
Que de tanta cor
Que de tanto perfume
Me fascinou




INFAME AMOR
                                          Jésus Ribeiro


Ah! Minha querida
Reconhece bem sei
Tu que és tudo que amei
Perdi a razão de viver
Não sou nada
Mas te amei
Eu ajoelhado como plebeu
Aos teus pés de rainha
Ouso pedir que sejas minha
Me aceites como sou
Infame amor te dou
Não me peças perdão
A quem te perdoou
A quem tudo te doou
A quem de joelhos
A Jesus rogou
Perdão, perdão
Por tentar esquecer
Ela que pra mim
É a razão de viver




ETERNIDADE
                                            Jésus Ribeiro


E o tempo passa vagarosamente...
A vida é um eterno esperar
Alguém se foi mas creio
Haverá de voltar
Num amanhã que certamente virá
Radioso a coroar
De flores os teus cabelos
No altar da Natureza onde eu
Certamente haverei de estar
Braços abertos a te esperar
E quando em teus lábios
Os meus se tocarem
Em divino compromisso
De perene união
Subiremos a voar céus afora
Unidos pelo coração
E teremos então
Por lar derradeiro
Todo o infinito
O Universo inteiro



REENCARNAÇÃO
                                          Jésus Ribeiro


Alma gêmea, perdão
Se misto de amor
Fui fiel em teu coração
Alma gêmea, perdão
Mas tanta quimera
Tanta solidão
Esperança de ser mel
Fui fiel
E tu solidão
Alma gêmea, perdão
Nunca digas não
Para o teu maior amado
Alma gêmea esquece
Quem te pede é quem padece
Eterna solidão
Eterna porque
Cada minuto é o próprio diminuto
Da Eternidade
Que vem em forma de saudade
E faz cada minuto
Evos sem fim
Mas quero a ti
Tu queres a mim
Vamos esquecer o passado
A alvorada
Esqueceste teu amado
Esqueci minha amada
E hoje estamos
Como queres
Serei o que quiseres
Príncipe ou plebeu
Enfim
Serás tu
E serei eu
E te amarei
Me esqueceste?
Mas não te esqueci



AMEMO-NOS
                                Jésus Ribeiro
          
Alma gêmea
Pra mim foste criada
Perdão te peço
Mas não mereço
Pois meu amor
É desesperado
Tem crivo de dor
Tem crivo de saudade
Às vezes parece até maldade
Mas confiemos
E como podemos
No amemos
Louvado seja o Criador



ESPERANÇA
                                   Jésus Ribeiro


Quando o sol a brilhar
Numa alvorada de paz e luz...
E das ruínas da noite surgir
Homens, flores e pássaros a cantar
Louvemos Jesus


Quando na Terra não mais existir
O medo, o mal, a dor...
Quando as consciências
Se fizerem imaculadas
Pela tempestade purificadas
No aprendizado do amor...


É nesse porvir
Não tão distante
Que te espero a sorrir
No anseio constante
Que venhas para não mais partir
Quando a todos os corações
Que nos são tão queridos
Juntos seguiremos
De todo mal esquecidos
Nas mais sublimes emoções



O PÂNTANO E O LÍRIO
                                            Jésus Ribeiro


Ah! Destino da humanidade
Impiedosa
Tanta maldade
Conhece a dor
Conhece a saudade
Esqueceste do amor
Do pântano que encharcaste
Ah! Levanta-se a haste
Do mais belo lírio




AMOR ETERNO
                                    Jésus Ribeiro


Conheceste do mundo o pensamento
Ah! Não ignoras do mundo o tormento
Porque com razão simples amas
Com sentimento
Procuras o amor bem sei
E eu te amarei e serei alma querida
Tua própria vida
E haverá de ser a minha
Alimento um do outro
E nos dois juntos seremos um só
Presos por um nó
Laço de fraternidade amor e saudade
Onde a maldade não encontra guarida
Haveremos de nos amar por toda a vida
Agora e pela eternidade afora
Onde a solução de toda dor
Está no perdão
Está no amor